segunda-feira, 10 de fevereiro de 2014

Visões do Passado - Fabrica de Bebidas em Palmeira Ltda.

Por: Luiz Gastão Gumy
______________________________________________________





Esta fábrica de bebidas funcionou aqui em Palmeira, localizava-se um pouco acima do Posto Pianowski na Avenida Batalhão João Pessoa, nº 10, hoje Rua Conceição pois, do cemitério até o cruzo da BR277 chamava-se Av.Batalhão João Pessoa.


Esta fábrica de bebidas iniciou sua atividades em 1950 e teve como primeiros funcionários: Gumercindo Ferreira, Antônio Martins de Oliveira, Edoirto Rodrigues, Catarina Lores Agrodoviski Gaio, Tereza Gaio, Tereza Gurski, Leonor Gurski, Tito Gugelmim, Júlio Ferreira, Roberto Taufer, Jonato Nascimento, e seus proprietários eram os Srs. Pedro Martins de Oliveira e Herminio Penteado Ribeiro. Ali fabricava-se aguardente das marcas Negrita e Indio, a laranjada da marca “Imperial”, gasosa da marca “Leoni”. Ali era produzido um xarope puro todo artesanal, o qual passava por um processo onde se usava conservantes para que o mesmo pudesse resistir meses e meses nos porões das casas de comércio. Lembramos que para saborear aquele xarope, era preciso diluir o mesmo em água. Produzia-se também deliciosos licores todos eles artesanais e sem rótulo. Mais tarde a empresa foi vendida para o Sr. Acácio Aguiar. Em 1957, o Sr. Antônio Martins de Oliveira assume a direção da empresa e contrata no seu quadro de funcionários o Sr. Levir Zeni Mhel(Cor-De-Rosa), o qual iniciou como varredor, lavador de garrafas e motorista da empresa. Mais tarde é admitido na empresa o Sr. Antônio Apolinário Martins (Tonico Gasoseiro), que trouxe de Teixeira Soares a química de como fabricar o vinagre. Tonico era responsável também pela produção de todo e qualquer tipo de refrigerante, os quais eram fabricados com água de um poço existente ao lado da empresa. Este poço não mantinha água suficiente para vencer a produção dos refrigerantes à qual era interrompida por diversas vezes. Naquele tempo não existia a Sanepar. Já o vinagre da marca Cedrinho era feito com sabugo de milho. Seu processo iniciava com a fermentação do sabugo numa solução de 100 litros de água, 10% de álcool e açúcar mesclado (açúcar preto). Colocava-se todo esse material dentro de pequenos tonéis (barris de madeira), e este material ficava girando dia e noite para se produzir 2.000 litros de vinagre por semana, o qual era comercializado em Palmeira, São João do Triunfo, Ponta Grossa, Lapa. .Mais tarde  um novo tonel ali foi instalado com 6 mts. de altura por 2,5 mts de diâmetro. Este tonel foi fabricado por Antônio Apolinário Martins (Tunico) que também entendia de marcenaria, e por Guilherme Schmidt da localidade do Lago.
Antônio Martins além de manter a produção de gasosa, aguardente e vinagre, tinha nos fundos da distribuidora de bebidas, uma pequena fábrica de café da marca  “Platina”.
Em 1958, o Sr. Otávio Rigoni assume a direção da empresa e imediatamente contrata um químico profissional de Santa Catarina, para vir ensinar o Sr. Antônio Apolinário Martins(Tunico) a fazer licores. O mesmo aprendeu rapidamente e repassou todo seu conhecimento para o Levir (Cor-De-Rosa). Este profissional  ficou um mês hospedado na casa do Sr. Otávio Rigoni. 
Mais tarde os sócios: Rogério Rigoni (Roge) e Noeli Renato Gumy compraram a empresa e tocaram por 2 anos. Posteriormente a empresa foi vendida para Renato Rigoni e Genésio Gomes de Lima Neto, os quais permaneceram ali por 5 anos, produzindo os mesmos produtos.
Veio os tempos modernos e então foi colocado em todo o mercado nacional o litro de plástico descartável, e a empresa que mantinha toda a sua produção em frascos de vidros (garrafas) quando quebradas davam enorme prejuízo ao fabricante e o governo também começou exigir dessas empresas salas especiais para manutenção dos produtos, e os pequenos fabricantes acabaram sendo prejudicados e parando sua produção. Diante disso, assume o Sr. Ari Caetano, não como fabricante mas, interessado em manter mais uma distribuidora de bebidas na cidade, “Distribuidora de bebidas Caetano Ltda.” colocando na praça produtos da marca Antártica pois na época havia a concorrência com outra distribuidora de produtos da marca Brahma. Ari Caetano assume a empresa no mesmo endereço, posteriormente transfere-se para próximo a empresa Magparaná e mais tarde com endereço à Rua Vicente Machado. E o Levir possui guardado em sua casa uma receita de como fabricar um delicioso vinho sem precisar utilizar a uva e sim, ácidos e outras essências.

Nenhum comentário:

Postar um comentário