sexta-feira, 14 de fevereiro de 2014

Visões do Passado - Empresa de Ônibus Nossa Senhora da Conceição

Por: Luiz Gastão Gumy
______________________________________________________



No ano de 1957, na gestão do prefeito Sr. José Antônio Bordignon, foi concedido alvará de funcionamento para a empresa de  ônibus coletivo “Nossa Senhora da Conceição”, de propriedade de Afonso Albino Osternack e Carlos  Osternack & Cia.,  para explorar diversos pontos da cidade. Seu primeiro coletivo foi um Fargo equipado com um motor de marca Hércules que fazia a linha Vila Rosa e Colônia Francesa, mais tarde  indo até a residência do Sr. Vitorino Marins próximo ao trevo que dá acesso a São João do Triunfo.


Esta empresa com o passar dos anos adquiriu mais 3 coletivos sendo estes negociado diretamente com as empresas Sul-Americana  e Penha, vindos diretamente da Capital. Estes coletivos  eram de cores vermelho e verde e ofereciam apenas 16 lugares. Todos eles eram de ferro maciço e um deles continha um letreiro ao lado da porta  com o dizer “Pistola”. Mais tarde esta empresa adquiriu mais  um coletivo sendo este negociado com a Princesa dos Campos. Mais tarde, o Sr. Daniel Mansani, prefeito eleito para a gestão 1963 a 1969,  assinou um alvará dando condições para que a empresa fizesse a linha Palmeira a Vieiras. Na época estava sendo construído a BR- 277 e as condições da estrada eram precárias e as dificuldades de transportes eram quase que impossíveis. Vários trechos da BR-277 estavam interrompidos pois, do Spréa a Queimadas era de responsabilidade da empreiteira Menegusso e de  Queimadas a Vieiras já era de responsabilidade de outra empreiteira.. Lembrou Carlito,  que sempre nas grandes dificuldades da empresa, o proprietário Sr. Afonso, sempre contava com a ajuda de seu irmão Juvenal  Osternack (Juvino). Foram  tantas as dificuldades que um dos coletivos chegou a ficar parado vários meses dentro da oficina Bordignon, e o proprietário pagando estadia. A moeda na época era o cruzeiro e pouco compensava rodar com os coletivos nas péssimas estradas barrentas. Naquela época estes coletivos já estavam fazendo as linhas do interior e a prefeitura também sofria as dificuldades de manter aqueles lugares conservados. Em 1966, o prefeito Daniel Mansani assinou outro alvará dando permissão para a empresa explorar as linhas  da cidade até Volta  Grande e Campestre de Vieiras.
Vários motoristas trabalharam nessa empresa sendo eles: Francisco da Silva (Chiquinho),  Luiz Eraldo Gonçalves (Catarina), Milton Luiz Albuquerque (Miltinho), Antônio Osternack, Carlito Osternack, Eduardo Osternack (Nêne) e Juarez Fernandes.
A idéia de se colocar essa empresa de ônibus coletivo aqui em Palmeira partiu do próprio proprietário Sr. Afonso, que já tinha este sonho de longos anos. Um dos fatos engraçados que aconteceu na época foi que muitos dos ocupantes em seus pontos de espera diziam “lá vem o rasga roupa do Carlito”. Também fatos tristes em que a empresa não pode contar com a colaboração de parte de alguns dirigentes políticos  de Palmeira, para que a mesma pudesse adquirir carros novos ou pelo menos em melhores condições para esse transporte, e poder permanecer aqui por mais tempo. Essa empresa de ônibus atendia também excursões, festas religiosas e eventos esportivos  sempre  quando solicitados pelos clubes de futebol, igrejas  e outras entidades da cidade, para se deslocarem para outras cidades vizinhas. Também nestas ocasiões a empresa enfrentava outro grande desafio, a revolta dos taxistas da cidade, que eram totalmente contra a permanência dessa empresa de ônibus em nossa cidade pois, sentiam-se prejudicados. Em uma das ocasiões a Banda Municipal  recusou-se a fazer uma apresentação no asilo de velhos Acelino Teixeira de Oliveira  por causa da revolta dos taxistas, a empresa de ônibus fazia o transporte da banda gratuitamente. Carlito lembrou com muita emoção e saudades um  desfile que a empresa fez pelas ruas da cidade por ocasião do grande título conquistado pelo Brasil na Copa do Mundo de 1962. Em cima de um dos ônibus a empresa confeccionou um lindo enfeite, e no meio deste enfeite estava o Sr. Afonso  pintado de preto, segurando uma bola,  como se fosse o  Pelé, e uma carreata o acompanhava com muita euforia em meio a explosões de  fogos de artifício. Todos os anos em festas natalinas a empresa também percorria toda a Rua Conceição, distribuindo quilos de balas. Poucos meses antes de encerrar suas atividades, a empresa de ônibus ainda prestava serviços para nossa comunidade, fazendo o transporte de crianças até a AMAS em troca de óleo diesel. Não  mais conseguindo manter os coletivos que se desgastavam a cada dia e os gastos eram de elevada monta a empresa de ônibus Nossa Senhora da Conceição, encerrava suas atividades em setembro de 1973.
Esta foto foi tirada no parquinho e aparecem encostados na parte traseira do ônibus o Sr. Afonso Albino Osternack, no meio está o Carlito Osternack  e na escada do coletivo o garoto que aparece sentado é o Sr.  Luiz Osternack.        

Um comentário:

  1. Meu avo Afonso e meu pai Carlos osternack conhecido como Carlito com muito orgulho tenho em maos essa msm foto

    ResponderExcluir